Na última sexta-feira, 11 de agosto, tive o prazer de conversar com o produtor e diretor de cinema, Lion Andreassa, que dirigiu o fantástico Desarmados, documentário brasileiro sobre o Estatuto do Desarmamento.

Com muito bom humor, Lion contou sobre sua carreira, de como um jovem fã da trilogia De volta para o futuro, passou por trabalhos administrativos, estudou engenharia automobilística, encarou inúmeros desafios com um espírito empreendedor legítimo e foi conduzido como que pelo destino, ao mundo do cinema, passando pela criação da Lumix Art Films, até o presente.

O diretor leva o trabalho a sério. Explicou as diferenças entre o cinema americano e o brasileiro e quais moldes de trabalho prefere, os americanos.

Falou sobre o realmente fantástico Desarmados, cujo trailer está no final do artigo, que é sem dúvidas uma grande realização para o cinema nacional. Nos falou, também, sobre as diferenças entre o trabalho do produtor e do diretor no cinema.

Sobre o cenário brasileiro, Andreassa abordou o papel do Estado, das leis de incentivo fiscal para o cinema, da Lei Rouanet e demais. Explicou o mecanismo de forma completa e posicionou-se acerca do tema.

Muito agradável e comunicativo, Lion contou seus planos para o futuro e de como pretende lidar com o mercado brasileiro. Falou sobre o seu projeto de documentário importantíssimo sobre Dom Pedro II, um personagem histórico nacional de suma importância cuja história jamais fora contada adequadamente e com o respeito que merece no cinema. A Lumix Art Films e o diretor Lion estão se preparando para produzir o longa de suspense chamado SELF que tem Othon Bastos no elenco.

Para fechar com chave de ouro, o cineasta deu conselhos aos iniciantes.

O bate papo foi muito produtivo e valeu cada segundo.

Trailer Desarmados:

Anúncios