O filme Star Wars – Episode V – The Empire Strikes Back ( Star Wars – Episódio V – O Império Contra-Ataca ) foi lançado em 1980, 3 anos após o anterior. O Episódio 5 foi o segundo da série a ser filmado. Expliquei na crítica passada (Episódio IV – Uma Nova Esperança) a estrutura da saga Star Wars. Como esta explicação é um pouco extensa recomendo a leitura do texto anterior antes de iniciar este. Nele estão explicadas a enealogia dividida em trilogias e a dimensão da incontável literatura acerca da obra de George Lucas.

É importante destacar que Star Wars não tem apenas importância pela realização, mas também pela historiografia do cinema. Os efeitos especiais e recursos cenográficos não são muito melhores do que os usados em A História Sem Fim e outros da mesma década que marcaram época e se tornaram clássicos. É importante neste contexto ainda recordar que dos anos 1962 até 1968 o cinema americano passou pela febre do Western Spaghetti, em seguida foi reavivado o gênero noir, e então em 1977, Star Wars apareceu e mudou o cinema para sempre. Não haveria nenhuma das grandes realizações cinematográficas desde então se antes o fenômeno Guerra nas Estrelas não tivesse acontecido. Os efeitos especiais foram feitos em boa parte com carros alegóricos como os usados no carnaval, por vezes mais pobres que muitas destas produções de rua atuais, e ainda assim a obra de George Lucas ganhou gerações inteiras pela qualidade narrativa e pela ousadia de tentar o novo.

O Império Contra-Ataca tem um roteiro veloz, não deixa faltar informação alguma e segue uma sequência linear perfeita. A estória é a continuação do Episódio IV. O Império reorganiza-se, Darth Vader torna-se obsessivo e implacável na busca por Luke Skywalker. Luke por sua vez começa a aprender a usar a “força“, recebe um chamado de Obi-Wan, conhece o mestre Yoda e começa seu treinamento para se tornar um Jedi. Enquanto isso, em outra parte da galáxia Han Solo entra em apuros com a Princesa Leia. Luke descobre que Han e Leia estão com problemas sérios e parte em socorro de ambos, mas encontra Darth Vader que lhe faz uma revelação bombástica (esta se trata de uma das frases mais famosas do cinema e mesmo assim eu não vou dizer, pois seria spoiler 😀 ). Skywalker é gravemente ferido e consegue pedir socorro para seus amigos usando a força, mas Solo caiu nas mãos de Vader.

Este episódio, diferente do anterior, deixa claro que se trata de um arco incompleto, que é apenas parte de uma narrativa muito maior que ainda está para se desenrolar. As mensagens trabalhadas aqui são mais sobre a relação discípulo e mestre, e muito sobre virtudes, vícios e como a tentação conduz para o caminho do mal. É abordado pela primeira vez o “lado negro da força” com propriedade. É muito próximo da temática do Spider-Man quando seu tio Ben diz “Grandes poderes atraem grandes responsabilidades“, o mestre Yoda faz uma série de exigências de Luke em seu treinamento, orienta-o para não deixar-se levar pela ira ou pelos prazeres imediatos e logo em seguida Luke é tentado no combate com Vader duramente. O mal não quer seu corpo, quer seu espírito e sua alma, são lhe feitas ofertas de reinar sobre toda galáxia e caso não aceite o que lhe restará é apenas uma ameaça de morte. Lembra inclusive a tentação de Jesus no deserto conforme descrito na Bíblia em Mateus no capítulo 4. É no final das contas um teste para saber se Luke está pronto para se dedicar ao bem ou se vacilará em direção ao mal, pois aprender a usar a “força” lhe dará muitos poderes e atrairá muitas responsabilidades.

A fotografia, a edição e a música permaneceram perfeitas e intocáveis. Eu não me canso de elogiar o maestro John Williams: trata-se de um gênio da música e do cinema.

O elenco foi o mesmo do Episódio IV, mas com as somas do fantástico animador de bonecos Frank Oz que fez o mestre Yoda, Clive Revill com uma única e forte aparição no papel de Imperador Palpatine, David Prowse como ator e James Earl Jones como voz de Darth Vader que desta vez teve destaque. Billy Dee Williams como o cafajeste das estrelas Lando Calrissian, e a impressionante dupla em ação de Harrison Ford como Han Solo contracenando com Carrie Fisher como Princesa Leia, que apresentaram uma divertida química.

A direção desta vez foi uma novidade, sob a organização de Irvin Kershner a obra se saiu tão boa quanto a anterior.

A bilheteria foi um pouco menor que a anterior e o investimento sensivelmente superior. Desta vez foram investidos 18 milhões de dólares que retornaram 538 milhões. O filme alcançou o 13º lugar de melhores filmes da história, foi indicado para 3 Oscar’s dos quais venceu o de Melhor Trilha Sonora, além de mais 41 indicações a outros prêmios das quais ganhou 19.

Não serei eu jamais a falar mal de Star Wars, não por ser fã, mas por justiça: este é um blockbuster histórico. Um filme nota 10 por falta de nota mais alta. Estão entre os melhores 124 minutos que você terá como experiência à frente de uma tela.

Trailer de Star Wars ( Guerra nas Estrelas ) – Episódio V

Ficha técnica de Star Wars ( Guerra nas Estrelas ) – Episódio V – O Império Contra-Ataca

Filme / Ano Star Wars ( Guerra nas Estrelas ) – Episódio V – O Império Contra-Ataca / 1980
Produção Gary Kurtz
Direção Irvin Kershner
Roteiro Leigh Brackett, Lawrence Kasdan

História: George Lucas

Fotografia Peter Suschitzky
Música John Williams
Edição Paul Hirsch
Elenco Mark Hamill, Harrison Ford, Carrie Fisher, Billy Dee Williams, Anthony Daniels, David Prowse, Peter Mayhew, Kenny Baker, Frank Oz
Orçamento / Receita US$ 18 milhões / US$ 538.375.067
Anúncios