Quando começamos a pensar em programar em Assembly as primeiras coisas que nos vêm à cabeça são os elementos de praxe do mundo da programação: um ambiente de desenvolvimento adequado com editores de código que auxiliem o trabalho com cores, tabulações e os recursos de formatação de textos que estamos acostumados, compiladores, depuradores e linkeditores. Esqueça isso.

Você está voltando aos primórdios da programação, quando os dinossauros ainda caminhavam sobre placas-mãe imensas e mariposas ficavam presas em circuitos integrados. Aqui a tela é pra ser preta, os caracteres verde-florescentes e o ecrã coberto com um nylon. O CPU é pesado, amarelado pelo tempo e fica ainda embaixo do monitor, ambos são pesados e precisam de 2 pessoas para carregar de uma vez só. As impressoras tem nome de gente como “Alice-e”, são matriciais, enormes e custam mais que seu carro. O modem de 9.2 kbps é ainda um sonho, as placas de rede ethernet são para usos militares e as placas de som uma utopia que o processador não suporta e nem suportará por aproximadamente uma década. Você está em um PC-XT. Tem 128 k de memória RAM, seus disquetes são de 5 1/2 polegas. Voltamos à década de 80 e o melhor que você vai conseguir é um sistema chamado MS-DOS.

pc xt - assembly

Se você for um garoto poderá jogar xadrez, se for um adulto usar o “Redator” ou o “Lotus 123“. Acontece que o seu caso é diferente. Você é curioso demais e sua idade é só um detalhe sem qualquer relevância. Você quer entender como tudo funciona e isso te tira o sossego, você não se conforma se não for dormir tendo aprendido sequer uma coisa nova por dia, já que o universo que está inserido é inabarcável de uma vez só e você quer saber o máximo pois os limites são um mistério ainda até para a humanidade. Então, custe o que custar, você atravessará noites acordado em busca da montagem deste quebra-cabeças cujas peças se multiplicam diuturnamente. É uma luta perdida em todos os aspectos, mas de alguma forma inexplicável você a vencerá, você sabe disso e ninguém te pode tirar isso. Está registrado em sua alma e sequer pode ser expresso por palavras ou por texto, é o brilho nos seus olhos em seu momento de solidão quando a tela acende e você vê seu interlocutor: o prompt de comando. Aquele cursor piscando é um convite desafiador e quando toda literatura acerca do tema se esgota o único resultado é o tédio inevitável. Este é seu mundo e ele jamais sairá de você. E você está condenado: é um programador e ainda não sabe. Vai descobrir quando pela primeira vez os comandos do sistema operacional já não forem um mistério, quando desmontar essa máquina já nada lhe disser de útil ou surpreendente que já não saiba há muito tempo, quando através do cursor que pisca você começar a conversar com o processador e com a memória RAM. Quando você criar seus próprios comandos. Profética e inevitavelmente essa ideia surgirá quando você descobrir um arquivo chamado “Autoexec.bat”, que não é mais que um script de comandos do sistema operacional, ele executa seguidos comandos que você já conhece, mas essa sequência respeitada pelo computador abre uma nova perspectiva: “de alguma forma eu posso criar meus próprios comandos, só não sei como“. Esta certeza enraizada, nesta década terrível de escassez que você vive te levará para livrarias com livros muito caros, com leituras complexas e muitas vezes redundantes, você se decepcionará com autores sem didática que abusam de jargões incompreensíveis para um iniciante curioso e determinado. Você não se formará em uma universidade para entender o que estão dizendo pois primeiro sua paciência não é tão elástica e segundo você sabe lá dentro de si que de alguma forma a informação aparecerá. Após ser testado espiritualmente e dormir algumas noites muito frustrado, você consultará o mestre Yoda que lhe dirá:

– A força o conhecimento trará. Confiar nela sempre você deve.

yoda - assembly

O velho mestre de 900 anos sabe o que diz. Paciente você aguarda num mundo onde a internet ainda se chama Arpanet, pertence ao departamento de defesa dos EUA, é um recurso militar norte-americano e você não sabe que existe. Seu universo é de disquetes e livros e os CD’s só chegarão em alguns anos.

Sem muita explicação nesse caos em que nada te favorece, um vizinho meio velho e esquisito, daqueles que passam boa parte do tempo consertando um carro que não tem defeitos com o capô aberto mexendo no motor, ou semeando e cuidando de plantas que você sequer sabia que existia, aquele senhor com cara de professor, simpático mas que não encontra muitos amigos percebe seu interesse e lhe diz: “Acho que isso pode ajudar você.” e lhe estende um livro. Com muita educação você recebe o material do estranho gente boa e com toda arrogância própria dos iniciantes que adentram este universo, automaticamente pensa: “Esse inútil acha que sabe alguma coisa…“. Você olha a capa do livro mas não lhe dá muita atenção, é um livro que sequer tem 300 páginas, está em péssimo estado de conservação, não tem figuras ou capa colorida, a encadernação é ainda espiral e a contra-capa que além de muito simples e direta contém o logo de alguma empresa desconhecida. Oras, certamente o solitário estranho deu um chute no escuro. Sem fé ainda você abre e lê: “Curso de linguagem de programação Assembly 8088” (é raro, geralmente o primeiro livro é C, Fortran, Basic, Clipper ou Pascal). Desconfiado e curioso sem ter ainda ideia do que tem em mãos, você lê as primeiras instruções descobre que sim: finalmente está aberta a porta para os segredos deste mundo. Um monte de novos comandos com novos resultados que você pode controlar está à sua frente. Os jogos? Você poderá criar os seus próprios. As planilhas e editores de textos? São passado em sua mente. Tudo que for possível para qualquer um, será também para você a partir deste instante.

O mundo ao seu redor é uma perda de tempo e seus amigos dizem que você está perdendo suas interessantíssimas bebedeiras, seus incríveis e hiper inovadores jogos de futebol com piadas repetidas e vocabulários maçantes. É impossível trazê-los para seu mundo, seu novo idioma são bytes e bits e eles não falam. Você está só, mas está mais acompanhado do que nunca esteve a vida inteira e você sabe disso, deseja isso e não vai trocar por nada: descobriu um tesouro que não estava sendo disputado, pois ninguém mais sabia de sua existência.

É aqui que eu quero você. É neste ponto e com este espírito que você iniciará os estudos em Assembly.

Façamos a longa viagem.

Anúncios