The Incredible Hulk é um filme da Marvel Studios de 2008 que chegou ao Brasil como “O Incrível Hulk“. Trata-se de certa forma de um reboot e simultaneamente da continuação do anterior. O personagem criado por Stan Lee apareceu pela primeira vez em maio de 1962 para nunca mais abandonar os HQ’s Marvel Comics e se tornar um ícone do Universo Marvel.

O doutor Bruce Banner foge dos EUA e se isola na favela da Rocinha no Rio de Janeiro, onde busca por meio das artes marciais encontrar controle emocional. Ele arruma um emprego e se esforça para aprender a falar português sem sotaque. Enquanto leva uma vida razoavelmente normal, Banner dedica-se na busca por uma cura para seu problema junto ao “Senhor Azul“, um biólogo celular que o auxilia. Uma gota de seu sangue cai em um refrigerante na fábrica em que trabalha e um alerta de contaminação por radiação gama chega às mãos do General Ross nos EUA. Um oficial russo, Emil Blonksi, é contatado por Ross para capturar Banner. O russo e os militares americanos liderados por Ross empreendem uma verdadeira caçada a Banner na Rocinha que após agredi-lo, força-o a transformar-se no Hulk. Transformado ele foge e acorda na Guatemala. A pé Bruce atravessa o México em direção aos EUA. Enquanto isso nos EUA, em uma base militar, Ross conta para Blonksi sobre o soro supersoldado que está em testes baseado na experiência que fez Banner tornar-se o Hulk e Blonksi oferece-se como cobaia. Banner chega à Virgínia e procura Betty Ross, que está em um relacionamento com Leonard Samson, um psiquiatra, mas ao vê-lo atira-se em seus braços. Blonksi recebe uma baixa dosagem do soro. Os militares reencontram Banner e a caçada reinicia. Os militares emboscam Banner que novamente vira o Hulk e Blonksi o confronta sem sucesso. Bruce mais uma vez foge com Betty que o ajuda e juntos finalmente encontram o “Senhor Azul“, que na verdade se chama Samuel Sterns e é fascinado pela genética de Banner. Blonski recebe uma dosagem mais alta do soro, começa a transformar-se em algo estranho e junto com Ross e os militares, prepara-se para uma nova emboscada contra Banner. Samuel cria um antídoto experimental e avisa que não é seguro, mas Banner aceita testa-lo em seu corpo da mesma forma e a fórmula funciona: Bruce consegue conter a transformação. Sterns confessa que tem feito experiências com o sangue de Banner e que está em busca de cura para doenças. Com a emboscada pronta, Blonski ignora as ordens de Ross e os protocolos de segurança dos inocentes e passa a agir sozinho. Emboscado e provocado, o soro em Bruce funciona e ele não se transforma, mas é capturado e levado por Ross. Blonski captura Samuel e exige que lhe dê o soro do sangue do Hulk, que se somará ao que ele já possui em seu corpo. A experiência com Blonski funciona, ele se torna um monstro consciente e sai de controle: surge o Abominável. O exército tenta detê-lo, mas suas armas mais potentes lhe fazem cócegas, agora apenas o Hulk pode conter a ameaça, mas Ross terá que fazer uma escolha.

O roteiro é muito veloz com ritmo frenético e não deixa faltar nenhuma informação, o único problema é que demora um pouco para começar de verdade. O tema tratado é o mesmo do filme anterior do Hulk feito em 2003, a ética da ciência, mas dessa vez o personagem é tratado como herói. O foco não é em Hulk, mas em Bruce Banner. O questionamento dos limites da ciência contra a ganância humana e suas inúmeras consequências catastróficas possíveis ganham força épica neste episódio. A descoberta mal explorada e advinda de um acidente de laboratório com o protagonista, está pronta para ser explorada como arma? Quais as contingências necessárias para o caso de as coisas saírem de controle? Há consciência quanto a vida de inocentes que corre risco em caso de algo sair errado? Todas estas questões remetem ao desenvolvimento científico e tecnológico contemporâneos. Todo questionamento filosófico de David Hume está presente em Hulk, nos dois filmes.

A fotografia é de um profissionalismo muito competente que beira o status de obra de arte, os conjuntos de cores adequados à cada situação e emoção. A música é o clássico orquestrado que harmoniza perfeitamente com os momentos auge. A edição é precisa tão profissional quanto a fotografia.

Para começar a falar do elenco: o casal Betty e Bruce é fantástico, uma sinergia rara entre os atores. Edward Norton como Bruce Banner (Hulk) infelizmente não ficou tão bom, mas a culpa não foi totalmente dele, o roteiro tratou Banner mais como um fugitivo do que como um cientista e isto não foi uma falha exatamente, mas uma necessidade (acho inclusive que Norton merecia uma segunda chance). Liv Tyler como a doce e persistente Betty Ross finalmente alguém deu vida à personagem, a filha do vocalista do Aerosmith fez um excelente trabalho. Tim Roth como o ganancioso Emil Blonsky (Abominável) também foi digno de muitos elogios, o ator mergulhou no personagem e entregou um vilão convincente. William Hurt como o arrogante General Thaddeus Ross parece que nasceu para fazer o papel. Tim Blake Nelson como o divertido biólogo Samuel Sterns foi sem dúvidas a escolha certa (eu inclusive gostaria de vê-lo novamente no papel em um Hulk futuro, pois Sterns se torna um dos maiores vilões do Universo Marvel, o Líder). A participação cameo (quando grandes autores que fazem papéis irrelevantes) de Stan Lee foi provavelmente a mais divertida de todos os filmes Marvel Studios.

A aparição de Tony Stark deixa muito claro: o filme veio para integrar Hulk ao Universo Estendido Marvel ao lado do Capitão América, Thor e Homem de Ferro.

A direção soube casar fotografia, música, elenco e a edição num roteiro fascinante e desta vez sim, a questão da ética científica foi discutida com heroísmo digno do personagem, desta vez ficou claro porque Hulk é um herói e não um mero acidente científico.

A produção realizou a obra com um orçamento de US$ 150 milhões que resultou num lucro de US$ 263 milhões. O filme foi indicado para 9 prêmios dos quais ganhou 1 pela trilha sonora composta por Craig Armstrong.

Trata-se de um dos maiores duelos de titãs que o cinema conheceu: são 112 minutos de uma aventura fantástica com fundo filosófico. Uma nota 9,0 é justa.

Trailer de The Incredible Hulk ( O Incrível Hulk )

Ficha técnica de The Incredible Hulk ( O Incrível Hulk )

Filme The Incredible Hulk ( O Incrível Hulk )
Ano 2008
Duração 112 minutos
Produção Avi Arad, Gale Anne Hurd, Kevin Feige
Direção Louis Leterrier
Roteiro Zak Penn

Baseado em Hulk de Stan Lee e Jack Kirby

Fotografia Peter Menzies Jr.
Música Craig Armstrong
Edição John Wrigh, Rick Shaine, Vincent Tabaillon
Elenco Edward Norton, Liv Tyler, Tim Roth, William Hurt, Tim Blake Nelson, Ty Burrell
Orçamento / Receita US$ 150 milhões / US$ 263.427.551
Anúncios