Mergulhei na série “90 minutos” de Paul Strathern, publicada no Brasil pela Editora Zahar, decidido a bater minha meta de leitura anual nem que fosse com livros fáceis. Tornou-se uma questão numérica que compete com meu pouco tempo e stress diário. O livro “Arquimedes e a Alavanca em 90 Minutos” foi, diferente do anterior, muito recompensador.

O autor cobre toda trajetória do gênio de Siracusa, com dados da personalidade, informações de atuação nas ciências, na política, fornece uma boa ideia sobre suas obras, tanto as perdidas quanto as mantidas, suas influências e seus influenciados, suas realizações teóricas e práticas, rumores sobre cargos militares, e até diferentes hipóteses sobre sua morte.

A verdade é que Arquimedes é, queiram ou não, um dos pais da física e injustamente creditam a Galileu como tal.

A trajetória do pensamento de Arquimedes na matemática, geometria, astronomia e física, inclusive como pai da hidrostática, passa pela geometria plana, um talento matemático formidável que o faria aplicar o método mecânico (colocar figuras em movimento sobre um eixo e dar-lhes movimento para chegar às novas, que vai além do uso de régua e compasso) para desenhar os sólidos (figuras em 3 dimensões), a aplicação de sólidos em líquidos (hidrostática), as explicações para figuras circulares e suas relações com o teorema de Pitágoras, e a forma como seus saberes fizeram ressurgir a ciência muito tempo após sua morte no mundo Árabe.

Arquimedes vive em cada parafuso, em cada alavanca, em cada roldana e balança que de seu gênio brotou, facilitando o mundo para nós.

É uma leitura extremamente satisfatória, tanto pelo entretenimento quanto pelo saber acessório. É evidente que não é possível absorver um autor completo e suas obras em 90 minutos, ou 41 páginas, como propõe o livro e muito menos um gigante (como se referiu Newton a Arquimedes com justiça) deste calibre intelectual. Todavia, vale a leitura e segue minha recomendação.

Anúncios