Continuando pela série “90 Minutos” de Paul Strathern, publicada pela Editora Zahar, li ontem “Platão em 90 Minutos“.

A parte boa deste livro é o que se diz sobre a personalidade e história do personagem Platão, pois a filosofia do mesmo está completamente errada. O autor simplesmente não entendeu A República nem O Banquete e por sorte não se arriscou a falar com propriedade de outras obras.

Quando fala de A República, ele não entende que se trata de um diálogo sobre a essência da justiça e não de uma proposta de estado, erro comum no meio. Já quando fala de O Banquete chega ao ponto de inverter completamente os valores e aqui para mim foi surpresa, pois o erro de interpretação de A República é comum, mas de O Banquete é algo bem mais difícil de acontecer. Por sorte ele não se arriscou a falar de FedroFedon e outros diálogos importantes.

Já quando fala da personalidade de Platão traz dados importantes sobre sua trajetória e seus possíveis estados emocionais em fases da vida, bem como a influência de Sócrates sobre ele, a sucessão de Aristóteles, os episódios em Siracusa, as passagens pela política, o ambiente cultural dos momentos como o governo dos “Trinta Tiranos” e a sucessão pelos democratas (que acabaram assassinando Sócrates), e suas viagens que levaram aproximadamente 12 anos.

São curtas 22 páginas que, descartando a trapalhada que faz sobre sua filosofia, considerando exclusivamente os dados sobre o personagem histórico Platão, valem a pena serem lidas.

Guardadas as devidas proporções, segue minha recomendação.

Anúncios